Make your own free website on Tripod.com
lobo2

.

      A MERDA TALHOU: deu tudo errado, o esquema furou, ocorreu o inverso
      ao planejado.
      A PULSO: a força, na marra, conseguir com muita dificuldade.

      ABAIANADO: muito enfeitado, cores berrantes, sem bom gosto (crítica
      ao jeito baiano).
      ABESTADO: besta, idiota, imbecil.
      ABILOLADO: abestalhado.
      ABISCOITADO: efeminado, aviadado, rapaz com gestos delicados.
      ABISTUNTADO: lesado, abestalhado.
      ABRIR: rir, achar graça; sair da situação para fugir das

      conseqüências, acovardar.
      ABUSADO: atrevido, metido, enjoado; pessoa chateada, com raiva.
      ACERTAR NA VEIA MESTRA: engravidar uma mulher.
      ACOCHAR: apertar, forçar uma confissão de preso, dar duro.
      ADIÇÃO: grande festa, baile, festival.
      ADIJUNTO: aglomerado de pessoas, como em uma grande festa.
      AFOLOSADA: afulosada.
      AFOLOSADO: afulosado.

      AFULEIMAR: inflamar.
      AFULOSADA: mulher de vagina enlarguecida, muito aberta, que não é
      mais apertadinha.
      AFULOSADO: arrombado, que teve o ânus enlarguecido.
      AGOADO: pão de massa fina na forma de dois rocamboles juntos.
      AGORA DEU!: interjeição de indignação.
      AIÉGUA: interjeição de lamentação (também se usa "aizégua").
      AJUIZAR: dirigir partida de futebol (apitar), ser o juíz da partida.
      ALAGOAS: refere-se também a um tipo de pão.
      ALICATE: que tem as pernas tortas pra fora, zambeta.
      ALUÍDO: rosca danificada, que não aperta mais.
      AMANCEBADO: mancebo, que vive em mancebia.
      AMANCEBAR: se juntar, viver junto sem casamento.
      AMARFANHADO: mal-vestido, desalinhado, amarrotado.
      AMASIAR: se juntar, como amante.
      AMOLEGADO: remexido, apalpado, revirado.
      AMOSTRADO: exibido, que gosta de aparecer, de se mostrar.
      AMUADO: emburrado, chateado.
      AMULEJO: feixo de mola do carro.
      AMULESADO: afeminado, que tem jeito de mulher, bicha.
      AMUNDIÇADO: mal educado (principalmente nas refeições).
      ANCHO: feliz, elogiado.

      ANDAÇO: diarréia (porque a pessoa se dirige ao mato).
      ANDAR DE PEVETE: andar a pé.
      ANDAR NA BOCA DO MUNDO: ter má fama, ser mal falado por todos.
      ANTRESONTONTE: antes de antes de ontém, ternantontem.
      APAPAGAIADO: cheio de cores berrantes, coisa de mal-gosto, .
      APERREADO: agoniado, apressado, impaciente, nervoso.
      APERREIO: agonia, dificuldade, aperto.
      APIAR: descer do transporte (carro,cavalo,etc.).
      APILAR COCÔ: ato de pederastia, dar a bunda.
      APLICAR XEXO: não pagar uma conta, cambalacho, sair sem pagar.
      APOIS: pois, então.
      APOQUENTAR: chatear, amolar a paciência.
      APROCHEGAR: se aproximar, chegar mais perto (aproximar+chegar).
      ARATACA: nordestino, cabeça-chata; armadilha para pegar ratos.
      ARENGA: intriga, briga, fuxico.
      ARENGAR: brigar, resmungar, criar caso.
      ARENGUEIRO: encrenqueiro, que procura briga ou confusão.
      ARFAR: mal-estar de quem comeu demais.
      ARIADO: desorientado.
      ARRANCA-RABO: confusão, briga, rolo.
      ARRASTAR A MALA: indica viagem; viagem perdida.
      ARRASTAR O LENÇOL: ir dormir em determinado lugar.

      ARREMEDAR: imitar.
      ARRETADO: muito bom, muito legal; sentimento de raiva de alguém
      (ficar arretado).
      ARRIADO: indica também "estar apaixonado".
      ARRIBACÃO: versão sertaneja do feijão tropeiro ou baião de dois.
      ARROCHA !: aperta! xumbrega!.
      ARROCHADINHA: mulher de vagina apertadinha.
      ARROCHAR: apertar, dizer desaforo, tirar uma casquinha (sarro).
      ARROCHAR O BURITI: estar na maior animação.
      ARROMBADO: que teve o ânus penetrado e enlarguecido, ânus rasgado.
      ARRUDEIO: volta, desvio, caminho maior.
      ARRUDIAR: dar a volta por fora, ir pelo outro lado.
      ÁS DE COPAS: o ânus.
      ASSUNTAR: pensar, refletir sobre um assunto; tratar de um assunto.
      ATARANTADO: atarefado, confuso com tanta coisa pra fazer.
      ATOLEIMADO: inquieto, apalermado.
      ATROADO: atrapalhado, azuretado.
      AVACELO: avaliação, avalio.
      AVE: interjeição de espanto (ave maria!).
      AVEXADA: com muita pressa, preocupada, nervosa.
      AVEXAME: pressa, típico do avexado(a).
      AVIA !: interjeição para apressar alguém (avia mulé!).

      AVIÃO: jogo de amarelinha (brincadeira infantil).
      AZEITONA: fruta conhecida como brinco-de-viúva; cocô de cabrito.
      AZOGADO: Louco, doido, endiabrado.
      AZOGUE: ímã.
      AZUADO: doido, "tan-tan", perturbado.
      AZULADINHA: nome de uma cachaça local.
      AZUNIR: jogar, sacudir.
      AZURETADO: atrapalhado, perturbado, confuso.
      AZURETAR: atrapalhar, perturbar, irritar, tirar a concentração de
      alguém.
      AZURUÓ: louco, doido.
      BABÃO: puxa-saco, balança-ovo.

      BACALHAU DE PORTA DE VENDA: pessoa muito magra e desconjuntada.
      BACULEJO: ato sexual pleno; ser revistado pela polícia na rua,
      revista policial.
      BAGAÇO: muito cansado, exausto, sem forças, imprestável.
      BAIÃO DE DOIS: feijão cozinhado com arroz; feijão tropeiro.
      BAIANICE: coisa bagunçada, sem organização, sem estética ou critérios
      (crítica ao estilo baiano).
      BAIXA DA ÉGUA: lugar muito distante e/ou imaginário.
      BALAIO DE GATO: coisa ruim, confusa.
      BALEADO: cansado, adoentado, fraco.
      BANANA ANÃ: banana grande e mais doce, banana d'água.
      BANDA DE BOLSA: pessoa ruim.
      BANDEIRINHA: menstruação.
      BANDULHO: estômago.
      BANDÚRRIO: estômago.
      BANZEIRO: que anda com o corpo balançando (certo jeito de andar).
      BARATA DE IGREJA: beato, carola.
      BARRA DO DIA: nascente do sol.
      BARRA-TOMADA: brincadeira infantil (parecida com barra-bandeira).
      BARREIRO: açude, fosso cavado p/ conservar água de chuvas.
      BARRIGA GRANDE: natural da cidade de Monteirópolis.
      BARRIGA DE CACHORRO MAGRO: que come tudo de uma vez e depois fica sem

      o que comer.
      BATATINHA: batata-frita.
      BATER A PÁ DO RABO: falecer, morrer, bater as botas.
      BATER BOLACHA: ato sexual próprio das lésbicas, toque lésbico.
      BATER BRONHA: masturbar-se.
      BATER CAIXETA: masturbar-se, copular; também é lesbianismo (bater
      bolacha).
      BATER PICADINHO: fazer embaixadas com a bola.
      BATOCO: pessoa de pequena estatura, toco.
      BATOQUE: pedaço arrancado de objetos ou da pele de pessoas.
      BAVARIA: mulher dos amigos, que já namorou com um grupo de amigos.
      BEATA: também se refere a ponta de cigarro.
      BEBEMORAR: comemorar com bebida.
      BECA: elegância, pessoa muito arrumada.
      BELEZA DE CREUZA: tudo bem, contente, numa boa.
      BELEZAU: coisa boa, certa, acertada, nos conformes.
      BESTICE: besteira.
      BEXIGUENTO: canalha, patife, cretino.
      BIBOCA: rua estreita e escondida de bairro pobre, rua ou lugar
      afastado, escondido.
      BIBOZINA: o pênis.
      BICHO DA BESTA: pessoa abobalhada.

      BICO DOCE: que beija muito ou é muito beijado.
      BIGU: carona.
      BIGUZEIRO: aquele que sempre procura carona (não quer pagar
      passagem).
      BILAU: pênis, bilunga.
      BILOCA: bilunga, pênis.
      BILOLA: pênis, pênis de menino, bilunga.
      BILOLÔ: abilolado, retardado.
      BILORA: desmaio; bilunga.
      BILUNGA: pênis, pênis de menino.
      BIMBA: pênis.
      BIMBAR: transar, usar a bimba.
      BIQUETE: playboy, badboy.
      BIRILO: prendedor de cabelo.
      BISACA: mochila.
      BISCAIA: mulher da vida, piranha, quenga.
      BISONHO: besteira.
      BIZU: cola de prova, dicas de prova, pesca.
      BIZUNGA: triste, doentio, distraído.
      BOBA DA PESTE: interjeição de raiva, algo muito ruim.
      BOBÔNICA: boba da peste (bubônica).
      BOCA DE CAÇOLA: que tem a boca grande.

      BOCA DE CAIEIRA: sujeito bravo, valente.
      BOCA DE PONCHE: pessoa que só vai às festas para comer.
      BOCA DE SIRI: refere-se também aos políticos que nunca se manifestam.
      BOCA QUENTE: pessoa importante, que tem influência ou experiência.
      BOCAL: o ânus.
      BOFADA: barulho fofo.
      BOGA: ânus.
      BOIAR: parar por cansaço.
      BOLACHEIRA: lésbica.
      BOLO DE ROLO: rocambole.
      BOMBA: tipo de confeito, bombom; dinheiro; posto de gasolina.
      BORA LI: vamos ali, embora pra ali.
      BORA NÓS: vamos embora, "vamo simbora".
      BORNÁ / BORNAL / BORNAR: saco de colocar milho que é preso a boca do
      burro.
      BORÓ: dinheiro; cigarro de pobre.
      BOROCOXÔ: triste, cabisbaixo, sem ânimo.
      BORRACHINHA: elástico de amarrar dinheiro, liga.
      BOTAR BUCHO: engravidar.
      BOTAR GALHA: cornear, botar pontas, chifrar.
      BOTAR O BEZERRO: vomitar de tanto beber, vomitar o pirão de louro.
      BOZÓ: dado (de jogo).

      BRAIADO: atrapalhado, coisa misturada.
      BRECHANDO: olhar pela brecha, espiar a vizinha, olhar escondido.
      BRECHINHA: vagina de criança.
      BREGUEÇO: indivíduo ou coisa desclassificada, sem valor, uma coisa
      qualquer ('brequeço' também é usado).
      BRINCO-DE-VIÚVA: fruta semelhante a jaboticaba ou azeitona preta.
      BRINQUEDO DO CÃO: pessoa ou coisa feia.
      BROCO: pouco inteligente, burro, que precisa que lhe repitam as
      coisas (vem de bronco).
      BROCOTÓ: coisa séria.
      BRONHA: masturbação (do homem).
      BRUGUELO: criança pequena.
      BUCHADA: iguaria feita c/ picado de vísceras cozidas dentro do bucho.
      BUDEJAR: resmungar (baixinho).
      BUFA: peido, bufo.
      BUFAR: peidar; soprar de raiva.
      BUFO: peido; sopro forte.
      BUFO-BUFO: pancadaria.
      BULIR: mexer, provocar, irritar, deflorar.
      BUNGAR: mexer em algo, reinar.
      BUTIJA: espécie de tesouro (dinheiro, jóias, ouro) guardado (quando
      não haviam bancos).

      CABAÇO: hímem.
      CABAÇUDA: mulher virgem (fêmea virgem), que tem cabaço.
      CABEÇA DE ROLA DOIDA: cabelo curtinho de mulher.
      CABEÇÃO: vestido de baixo, tipo "hoby", muito usado antigamente.
      CABODE: pênis.
      CABRA: uma pessoa, um cara.
      CABRA DA PESTE: uma pessoa muito boa no que faz (de bom ou de mal).
      CABRA DE PEIA: pessoa sem vergonha, que apronta, mal-caráter.
      CABRÃO: Pessoa robusta, desenvolvida, grande.
      CABREIRO: matreiro, manhoso, mulherengo não exibido, desconfiado.
      CABRESTO: pele atrás da glande do pênis, cabaço do homem ou parte da
      pele colada que causa fimose.
      CABRITO: menino atrevido; pequeno roubo.
      CABUETA: fofoqueiro, que leva e traz (variação originada de
      alcagüete).
      CAÇOLA: calcinha (vem de calçola).
      CAÇUÁ: espécie de cesto duplo utilizado em jegues.
      CACULO: o que passa da medida de um copo um montinho pra fora (só
      sólidos).
      CADÁVER AMBULANTE: magro como um cadáver, esquelético.
      CAFOFA: bola chutada sem muita força ou mal chutada, por extensão
      qualquer coisa atirada com pouca força.

      CAFUNDÓ: lugar muito distante.
      CAGADA: iguaria feita com carne de cágado; fazer besteira.
      CAGADA E CUSPIDA: muito parecida, "cuspida e escarrada".
      CAIVARA: pessoa ou animal velho e magro.
      CAIXA DOS PEITO: tórax, peito.
      CAIXA PREGO: lugar muito distante, muito longe.
      CALANGO: espécie de lagarto do mato; bícepes.
      CALETE: tendência inerente a uma pessoa que lhe imporá determinadas
      características.
      CALIFOM: situã.
      CALOR DO ESTOPÔ: calor muito forte, que leva a estoporar.
      CALUNDUM: triste, emburrado.
      CAMBOTA: pessoa que caminha de pernas abertas (joelhos separados).
      CAMBRECÁ: carro velho, calhambeque.
      CAMBRIÃO: amante, amasio.
      CANELA DE SOCÓ: pessoa que tem as pernas finas.
      CANGA: cesto de carga de animais; espécie de saia de praia.
      CANGOTE: toitiço, parte traseira do pescoço.
      CANGUINHA: pão duro, que não gosta de gastar o que tem.
      CAÔ: mentira.
      CÃO CHUPANDO MANGA: mais feio que o cão (capeta); reconhecidamente
      bom no que faz.

      CÃO DO SEGUNDO LIVRO: cão, diabo, alguém terrível.
      CANHÃO: mulher feia, desajeitada, bagulho.
      CAPIONGO: tristonho.
      CARA DE FUN-DE-LÔ: xingamento.
      CARA DE LOLÔ: cara de descabriado, de desconfiança.
      CARA BRANCA: político da situação.
      CARA PRETA: político da oposição.
      CARNE DE GADO: carne de boi (ou vaca).
      CARNE DE PESCOÇO: coisa difícil, ruim, o contrário de "filé".
      CAROÇO DO ZOIO: globo ocular (caroço dos olhos).
      CARRASPANA: cachaça, ficar de porre.
      CARREGAÇÃO: diarréia.
      CARREGO: pilha; mala, cesto.
      CARTEIRA: tipo de pão que tem formato de carteira de documentos.
      CASAMENTO DA RAPOSA: chuva com sol forte.
      CASAR NA IGREJA VERDE: ter relações sexuais antes de casar (casando
      ou não depois).
      CASSACO: espécie de gambá de hábitos noturnos; trabalhador da época
      de secas do DNER.
      CATABIL: buraco de estrada que causa solavanco no veículo.
      CATABIO: buraco de estrada que causa solavanco no veículo.
      CATAR FICHA: quando a pessoa vai caindo e tentando se amparar com as
      mãos/braços.
      CATENGA: lagartixa.
      CATIMBÓ: macumba.
      CATITA: rato pequeno, ratinho.
      CATOTA: meleca do nariz, creca.
      CATRAIA: prostituta.
      CAVALA: mulher de corpo exuberante e bem torneado, jumenta.
      CAVALO BATIZADO: homem estúpido, grosseiro.

      CAVUCO: depósito para colocar pó de carvão.
      CEGA DEDÉ: pessoa que não vê nada.
      CÊRA DE SANTÍSSIMO: pessoa pálida, amarelada.
      CHAMADA: grande trago de aguardente (ou outra bebida alcoólica
      forte).
      CHAMAR NA CHINCHA: atrair, agarrar para abraçar, trazer para si.
      CHAMAR NA GRANDE: transar; trazer algo com vontade e disposição.
      CHAMAR RAUL: vomitar de tanto beber.
      CHAMEGO: carinho, excitação a dois, amizade íntima, paixão violenta.
      CHAPÉU DE COURO: beiju grosso de mandioca e côco.
      CHAPÉU DE OTÁRIO É MARRETA: expressão que indica que uma pessoa é
      idiota, um otário (gíria).
      CHAPULETADA: tapa de mão aberta no pé do ouvido; pancada.
      CHEBA: o pênis.
      CHEIRANDO A LEITE: referente a pessoas bem novas (geralmente meninas
      adolescentes).
      CHEIRO: beijo.
      CHELELÉU: balança-ovo, puxa-saco, babão.
      CHICO: menstruação; a vagina.
      CHICOTE: o ânus.
      CHOCHA-BUNDA: feijão de corda (porque deixa a pessoa chocha, magra ).
      CHOQUE DO CRANCO: um choque muito forte.

      CHUCHADA: golpe desferido por instrumento perfurante; dor de cabeça.
      CHUMBETA: puxa-saco, baba ovo.
      CIEBA: ânus.
      CIGARRA: campaínha (aliás, o termo 'cigarra' é bem mais empregado que
      campaínha).
      CIGARRO BRANCO: cigarro com filtro.
      CISCO: lixo.
      COBRIR O RANCHO: situação na menina em que estão nascendo os pelos
      pubianos.
      CÔCO: além de fruta, também é dança folclórica alagoana.
      COCOROTE: cascudo, croque, pancada com a mão fechada na cabeça.
      COISA POR PESTE!: muita coisa, muito trabalho a ser realizado.
      COISA POUCA: pouca coisa, algo em pequena quantidade.
      COISA RALA: coisa fraca, líqüido aguado, pouco concentrado.
      COISAR: transar, ter relações sexuais.
      COIVARA: queimada na roça para preparar para o plantio.
      COLOIO: aglomeração de pessoas, juntamento.
      COMBISTA: categoria dos motoristas de pequenos transportes, sobretudo
      de kombis.
      COMI QUE FIQUEI TIBI: comi que fiquei estourando, cheio, empachado.
      COMO COBRA QUE PERDEU O VENENO: desorientado, sem saber o que fazer.
      CONFEITO: qualquer bala ou caramelo.

      CORDÃO CHEIROSO: fio dental (biquine/tanga).
      CORPO REIMOSO: organismo sem defesas, doentio.
      CORREDEIRA: desinteria.
      CORREIA DE PONTA: pessoa muito amiga, muito ligada (e vice-versa).
      CONVERSA DE MENINO AMARELO: explicação ou desculpa mal arranjada.
      CRECA: sujeira, crosta de sujeira ou escremento; meleca do nariz.
      CRICA: cocô seco; a vagina.
      CRIOULO: tipo de pão que tem duas metadades emendadas.
      CRIVO: cigarro.
      CU DE JUDAS: lugar ruim.
      CUCHINGA: cócegas, fazer rir tocando em partes sensíveis do corpo.
      CUIA: qualquer vasilha.
      CURIMÃ: espécie de peixe.
      CURURU: tipo de sapo; transporte clandestino de navio; o fusca.
      CUSCO: cachorro.
      CUSTAR OS CABELOS DA CABEÇA: custar muito, mais do que se tem p/
      comprar.
      DA BÊBA: da peste, da desgraça, da boba, algo muito forte.
      DA BEXIGA: muito forte, algo de grande intensidade, geralmente muito
      ruim.
      DA BESTA FERA: da peste, da desgraça, algo muito forte.
      DA BOBA: forma sintética de dizer "da bobônica" .
      DA BOBA SERENA: algo muito forte ou grande.
      DA BOBÔNICA: da peste, da desgraça, algo muito forte.
      DA DISGRAMA: da peste, da desgraça, do disgramado.
      DA GOTA SERENA: algo muito intenso, muito forte; última gota antes
      da morte.
      DA MULÉSTIA: da peste, da boba, algo muito forte.
      DA POCHA: da peste, da desgraça, da porra.
      DA PORRA: da peste, da desgraça, algo muito forte.
      DANÇA DO CALANGO: tipo de dança que lembra movimentos de um calango.
      DAR A DISPENSADA: dar um fora.
      DAR GAMÃO: dar um problema técnico, surgir uma complicação.
      DAR O BOGA: dar o ânus, o chicote.
      DAR O CHICOTE: dar o ânus.
      DAR O TIRO NA MACACA: menstruar pela primeira vez.
      DAR UM CHEIRO: dar um beijo, beijar.
      DAR UM GOGÓ: "ficar" com alguém.
      DAR UM PEGA: dar um sarro, sarrar.

      DAR UM XEXO: não pagar uma conta, cambalacho, sair sem pagar.
      DAR UMA BIFA: bater, dar uma porrada.
      DAR UMA FOFADINHA: transar.
      DAR UMA FURADA: transar.
      DAR UMA PIABA: dar um cascudo ou tapa, bater.
      DAR UMA PIABADA: dar pancadas, uma pisa, dar uma piaba.
      DAR UMA RABEADA: uma puxada brusca para um lado ( o veículo),
      derrapada.
      DEIXA DESSA!: pare com isso!.
      DEIXAR AOS IMBOLÉU: deixar à toa.
      DEIXE DE ARENGA!: pare de brigar, pare de criar caso, pare de
      reclamar.
      DEIXE DO TEU FARO!: deixe de se exibir, de contar vantagens, de
      mentir.
      DENTE DE CANGULO: dentuço.
      DENTE QUEIRO: dente do juízo, dente de siso, último dos dentes
      molares.
      DERRA: derradeiro, o último (em geral no jogo de ximbra).
      DERRADEIRO: o último.
      DERRUBADA: mulher feia, desmantelada, caída pelo tempo e pelo uso.
      DESCABAÇAR: tirar a virgindade, romper o hímem, desvirginar.
      DESCAMBAR: virar o rumo, sair, ir por um determinado caminho.

      DESCATEMBAR: desmantelar, desmanchar, desalinhar.
      DESCONGOTAR: torcer o pescoço, descangotar, quebrar o pescoço.
      DESMANTELADA: mulher feia, derrubada, sem atrativos físicos.
      DESMANTELADO: quebrado.
      DESMENTIR: torcer, dismintir.
      DESONERAR: ter diarréia, desarranjar, soltar ou aliviar o intestino.
      DESTRUSIDADE: dor que vai da espinhela (coluna) para a pá (osso
      próximo a omoplata).
      DIACHO: interjeição de espanto, que diabo!.
      DIGA AÍ: saudação, oi!, olá!.
      DIGA AÍ FERA!: saudação a alguém a quem se quer agradar.
      DIGA AÍ GRANDE!: saudação a alguém a quem se quer agradar.
      DIGA AÍ POTÊNCIA!: saudação a alguém a quem se quer agradar.
      DISCABRIADO: desconfiado, que faz cara de desconfiança.
      DISGRAMADO: desgraçado.
      DISMINTIR: torcer.
      DO CRANCO: intenso, muito forte, potente.
      DO SATANÁS: forma de expressar intensidade, potência, capacidade.
      DO TEMPO EM QUE CANDEEIRO DAVA CHOQUE: coisa muito antiga, arcaica.
      DO TEMPO DO RONCA: bastante antigo, velho, ultrapassado, fora de
      moda.
      DOENÇA DO MUNDO: doença venéria.

      DOIS GATOS PINGADOS: situação onde vem pouquíssima gente, umas 2
      pessoas.
      DONA MARIA: tratamento dado a pessoas desconhecidas pelas pessoas
      mais simples.
      DOR DO CANCRO: dor danada, muito forte, intensa.

                                        
                                  Topo da Página


                                    E

      E A POIS: pois é, pois não, então.
      E É?: interjeição de espanto muito comum, é mesmo?.
      É LASCA!: expressão usada para uma reclamação.
      É LOITA!: é difícil, que requer "luta" para se conseguir.
      É ROCHA!: tá certo!
      É TAMPA: que é muito bom, de qualidade.
      É UM PESTE!: forma de elogiar, exaltar uma pessoa pelo que ela fez.
      EITA PEIGA!: interjeição de espanto.
      EITA POCHA!: interjeição de espanto.
      EITA PORRA!: interjeição de espanto.

      ELEMENTO: pilha.
      EMBOLADA: tipo de canto (e música) que liga as palavras da letra,
      embolando-as.
      EMBORCAR: virar, deixar de cabeça pra baixo.
      EMBURACAR: entrar.
      EMPACHADO: de barriga cheia ou inchada, entupido de comida.
      EMPANADA: lona de pano que cobre o circo.
      EMPELEITADA: empreitada.
      EMPRENHAR: engravidar.
      ENCANGAR: transar, se enganchar no ato sexual.
      ENFIAR O FACÃO NA BAÍNHA: homem que "aposenta" seu falo; mulher
      menstruada.
      ENGEMBRADO: dolorido, com doença reumática, corpo cheio de dores.
      ENGOLIR UMA VARA: ficar muito ereto, se esticar de mais".
      ENGUIAR: ter náuseas, engulhar.
      ENGUIO: vômito (provavelmete tem orígem em "embrulho").
      EMPACHADO: cheio, entupido, com mal estar (de tanta comida).
      EMPENAR O PNEU: estar embriagada, alcoolizada.
      ENREDAR: fuxicar, fazer enredo, mexericar, intrigar.
      ENRICAR: palavra muito utilizada no lugar de 'enriquecer'.
      ENTABICADO: repleto, cheio, entupido.
      ENTURIDO: cheio, entupido, com prisão de ventre.

      ESBAGAÇADO: destruído, esmagado, amassado.
      ESBITOCAR: arrancar pedaço, bitocar, lascar.
      ESBORRAR: transbordar.
      ESBREGUE: carão, esporro, bronca.
      ESBRUGADO: coisa pra fora, estufada ou esbugalhada.
      ESCANGOTAR: quebrar a manga de eixo dianteiro de um trator; empenar,
      entortar.
      ESCATEMBRADO: estragado, deteriorado.
      ESCORRENÇA: diarréia (ou escorrência).
      ESCORRUPICHADO: pessoa magra, de pescoço comprido; cabelo esticado a
      força.
      ESCRUVITIAR: andar muito.
      ESCULHAMBADOR: aquele que tira os testículos (culhões) do boi na hora
      do abate.
      ESGUERADO: com grande apetite, esfomeado.
      ESPANTA-BOIADA: pássaro conhecido como "quero-quero".
      ESPILONGADO: pessoa alta, magra, de pescoço comprido; algo esticado.
      ESPINHELA: coluna, espinha; parte inferior da caixa toráxica.
      ESPINHELA CAÍDA: arca caída.
      ESPIVITADO: atrevido, intrometido, assanhado, irrequieto, saliente.
      ESPREMEDEIRA: diarréia em criança de braço..
      ESTAMBO: ou estombo, estômago na linguagem de pessoas simples.

      ESTAMBOCAR: quebrar parte do reboco, tirar um pedaço, tirar uma
      lasca.
      ESTAMBOQUE: pedaço.
      ESTAR BALEADO: estar cansado, sem condições físicas para agir.
      ESTAR COM A MULÉSTIA: estar zangado, agitado.
      ESTAR COMO BOSTA N'ÁGUA: sem pouso nem paradeiro, sempre em
      movimento.
      ESTAR COM PICHILINGA: situação do homem cuja mulher teve neném
      recentemente.
      ESTAR DE BOI: estar menstruada.
      ESTAR NUMA BECA DA POCHA: estar muito arrumado, elegante, bonito.
      ESTAR VIRADO NO CÃO: estar doido, enfurecido, afoito, com muita
      força.
      ESTIBADO: cheio de dinheiro.
      ESTIRNIDO: estreito, apertado (com relação à roupas).
      ESTIRNIR: apertar em demasia uma peça de roupa.
      ESTOPORAR: estourar (de calor); sofrer derrame ou congestão cerebral.
      ESTOPORCORROLOPEU: interjeição de raiva.
      ESTREPADO: lascado, fodido.
      ESTRIMILIQUE: desmaio.
      EU MAIS VOCÊ: nós, você e eu, "você mais eu".
      EXONERAR: defecar.

                                        
                                 Topo da Página


                                     F

      FACADA: coisa cara.
      FARINHA AZEDA: pessoa ruim.
      FARINHA DE ARARIPINA: pessoa chata, inconveniente, pé no saco.
      FARNESIN: mal-estar alimentar.
      FAROL DE JIPE: sujeito com olhos esbugalhados, grandes.
      FAROL DE KOMBI: sujeito com olhos grandes, esbugalhados.
      FARRAPAR: não comparecer ao encontro combinado.
      FATO: intestino, vísceras.
      FAZER A FEIRA: ir ao supermercado.
      FAZER BACU: fazer um baculejo, uma revista para procurar um objeto
      numa pessoa.
      FAZER MAL À MOÇA: deflorar uma jovem, tirar sua virgindade, transar.
      FAZER O BALÃO: fazer o retorno com o veículo, retornar.
      FAZER O SERVIÇO: defecar.
      FAZER SABÃO: duas sapatões xumbregando.
      FAZER UM GATO: fazer uma ligação de luz clandestina (roubar

      energia).
      FEBRE DO RATO: coisa séria, importante, grandiosa.
      FEDERA: federal, forma de elogio.
      FEIJÃO DE CORDA: típico feijão da alimentação nordestina.
      FEIRA DO PASSARINHO: tumultuada feira de Maceió onde há de tudo, até
      peças roubadas.
      FEVEREIRO: ânus.
      FIAPO: pênis.
      FICHE: resitente, firme, inabalável, que não é mole (fixo).
      FILA: pesca (de prova), cola.
      FILÉ: mulher exuberante, gostosa; tipo de renda artesanal local.
      FILHO DE UMA ÉGUA: ofensa, xingamento (fio duma égua).
      FILHO DE UMA QUE RONCA E FUÇA: ofensa, filho de uma nojenta, de uma
      porca ou de uma prostituta.
      FININHA: estar doente, tuberculoso.
      FIOFÓ: ânus.
      FIQUE PEIXE!: fique calado!, fique calmo (quieto)
      FIRME E FORTE COMO UM PREGO NA AREIA: resposta dada quando se
      pergunta se está tudo bem, para demonstrar que não está nada bem.
      FLAU: saquinho plástico que tem suco congelado e que se chupa como
      sorvete.
      FROCAR: amarelar, acovardar-se, desistir da empreitada.

      FLOREIO: conversa sem sentido, palavras ocas, vazias, só de enfeite.
      FLORZINHAS: órgão genital feminino.
      FOFAR: transar, dar uma fofadinha.
      FOGAREIRO: ânus.
      FOLOTE: frouxo, franzido, fofo ou folgado.
      FONHÉM: fanhoso, fanho, que tem a fala nasalada.
      FOPA: ânus, toba.
      FORFITE: ânus.
      FOUVEIRO: sujo, desbotado, de cor indefinível.
      FORDUNCO: desordem, bagunça.
      FOTEIRO: fotógrafo, que bate fotos.
      FREDERICO: ânus.
      FRIVIOCO: ânus.
      FROBA: ânus.
      FROSQUETE: ânus.
      FRUVIAÇÃO: piodermite em torno do pescoço, em crianças.
      FRUVIAR: coçar, comichar (comum na região anal por infestação de
      oxiurus).
      FUÁ: bagunça, rolo, conflito.
      FUBAZENTO: sujo, desbotado, acinzentado.
      FUBENTO: sujo, desbotado, acinzentado.
      FUBA: coisa sem valor, fuleira; fubá.

      FUETE: bala que falhou.
      FULEIRAGEM: algo que não tem seriedade, brincadeira, perturbação,
      frescura.
      FULEIRO: mole, idiota, sem força, fraco, sem valor.
      FULENGO: mole, idiota, sem força; rapazinho, adolescente.
      FULÔ: flor.
      FULORAR: florar, florescer.
      FURAR: transar.
      FURAR A MENINA: tirar a virgindade de uma moça.
      FURDUNÇO: desordem, bagunça, fordunco.
      FURIFAR: ato sexual, casal transando.
      FUTRIA: intriga, fuxico, futricação.
      FUTUM: mal-cheiroso, podre.
      FUZUÊ: desordem, confusão.

                                        
                                  Topo da Página


                                    G

      GABIRU: rato grande, ratazana.

      GAIA: galha, ponta, chifre do traído.
      GAITADA: risada forte, gargalhada ou grito estridente em tom de
      deboche.
      GALEGO: pessoa de cabelo louro.
      GALINHA À CABIDELA: galinha ao molho pardo.
      GALINHA DE CAPOEIRA: galinha caipira.
      GAMÃO: problema técnico, dificuldade, complicação.
      GAMBA: zona, região de prostíbulos e meretrizes.
      GARAPA: qualquer líquido muito doce; cachaça com mel; bebida c/ muito
      acúcar.
      GASTAR OS CABELOS DA CABEÇA: gastar exageradamente em compras.
      GASTURA: agonia, mal estar.
      GATO: ligação elétrica clandestina (e que não é paga).
      GENTE POR PESTE!: indica muita gente, excesso de pessoas num local.
      GIRIMUM: abóbora.
      GOGA: risos, algazarras, brincadeiras com muitos risos.
      GOGÓ: mamadeira de criança (que leva leite); parte da frente do
      pescoço
      GOGÓ DA EMA: era um coqueiro c/ forma de pescoço de ema (não existe
      mais).
      GONGORÁ: pessoa interesseira, que já bota o olho grande.
      GONGORAR: espreitar disfarçadamente com interesses, rondar, botar o

      olho.
      GORADO: ovo de galinha estragado.
      GORAR O OVO: passar vexame numa brincadeira de esconde-esconde.
      GORÓ: bebida alcoólica.
      GOSTOSÃO: tipo de pão meio doce.
      GOTA SERENA: interjeição usada quando a pessoa está com raiva ou
      indignação.
      GRANDE OBRA: grande bosta, coisa mal feita.
      GRELO: pinguelo, clitóris; broto de feijão.
      GRUGRUMILHO: vias respiratórias entre a garganta e o nariz.
      GRUVIÃO: espécie de gigolô; também usado no sentido de otário.
      GUAIAMUM: tipo de caranguejo.
      GUAXINIM: denominação popular para o lobo guará, cachorro do mato.
      GUENZO: atordoado, inseguro, bamboleante, adoentado, lerdo, fraco,
      chato.
      GUERREIRA: prostituta, piranha, quenga.
      GURIATÃ: pássaro cantante conhecido por "sete cores".
       HISTÓRIA DE TRANCOSO: história mentirosa, conto para crianças.
       HOMEM-CATENGA: que balança a cabeça concordando com tudo.
       HOMI, RAPAZ!: interjeição de dúvida (homem! rapaz!) usada tanto para
       homens, quanto para mulheres.

      IGUAL SIRI NA LATA: muito bravo.
      IMBORNÁ: bornal, onde se guardam pacotes (na garupa de cavalo ou em
      bicicleta).
      IMPRASTE: curativo.
      INCHU: qualquer inseto que pica (origem em enchu = vespa); casa de
      marimbondo.
      INCHU-GALEGO: marimbondo.
      INCHUNFRA: provocação.
      INCOMBO: doença, incômodo.
      INCRAMUAR: caprichar.
      INCUNIVAR: enredar, intrigar.
      INFELIZ DAS COSTA OCA: pessoa que não possui nada, forma de
      xingamento.
      INHAFO: interjeição de espanto.
      INTÃO!: (então! intchão!) expressão típica de quem está concordando
      com o que está sendo dito.
      INTÉ!: até mais!, até breve!
      INTEIRAR: completar o valor para poder pagar/comprar.
      INTERIOR: qualquer lugar que não seja a capital (mesmo no litoral).
      INTRUSIDADE: dor que vai da espinhela (coluna) para a pá (osso
      próximo a omoplata).
      INZIPA: coceira estranha e descamativa das pernas.

      ISBILITADA: muito cansada, estressada, desgastada.
      ISBIUTAR: bisbilhotar.
      ISONOR: isopor.
      ISQUINÊNCIA: originário de esquinência - olhar de quem vai morrer,
      comum em criança com febre e desidratação.
      ISTROMBO: estômago, estambo.
      ISTRUIR: desperdiçar.
      ISTRUMO: estrume, esterco de gado.
      IXE: interjeição de espanto (oxe!).
      IXE MARIA: interjeição de espanto (virgem maria!).
       JABURU: mulher ou homem gordo, sem atrativos.
       JAÇA: o bairro do Jacintinho, em Maceió. Gíria que tem o sentido de
       valorização deste bairro pobre.
       JAPONESA: sandália de tira tipo "havaiana".
       JOGAR UMA REBOLADA: jogar uma pedra.

       JUÍZO: cabeça.
       JUMELO: pinto grande, pênis avantajado.
       JUMENTA: mulher muito bem torneada.
       JUMENTO BATIZADO: pessoa analfabeta, grosseira.
       JUMENTO SEM MÃE: pessoa sem importância, um joão-ninguém, vagabundo.
      LÁ PRA RIBA: lá pra cima, pra bem longe, lá pras bandas.
      LABAFERO: brigas.
      LAIADO: que está em apuros, encrencado, no perigo, lascado.

      LALAU: idiota; ladrão.
      LAMBE-CINZA: cachorro vira-lata.
      LAMBER SEDA: fumar maconha.
      LAMPRÉIA: mulher feia.
      LANCHA: homossexual masculino, bicha.
      LAPA: medida ou tamanho considerável; uma certa dose.
      LAPADA: pancada, porrada; também significa uma dose de cana
      (cachaça).
      LAPISEIRA: peça que faz a ponta do lápis, apontador.
      LARANJA CRAVO: tangerina.
      LARANJO: cor entre amarelo e vermelho, alaranjado.
      LASCADO: que está em situação delicada, ferrado, prejudicado, sem
      dinheiro.
      LATA VELHA: espécie de ferrugem que aparece nas folhagens das
      plantações.
      LATANHADO: arranhado, machucado.
      LATOMIA: barulho, conversa intensa (vem de latir sem parar).
      LAVAR A ÉGUA: se dar bem, dar sorte.
      LAVAR A JEGA: se dar bem.
      LAXADO: rachado, lascado.
      LÉGUA: em algumas partes do interior, 1 légua equivale a 1 km.
      LEITE DE GADO: leite de vaca.

      LESADO: idiota, amalucado.
      LESO: lesado, abestalhado, abobado.
      LEVAR BOMBA: ser reprovado (na escola).
      LIGA: elástico de amarrar dinheiro, borrachinha.
      LIMPAR O SALÃO: tirar melecas do nariz.
      LINDO ISSO!: interjeição de repreensão (tom de ironia).
      LISTA: quantidade de pessoas com que ûma pessoa teve relações
      conjugais.
      LISTAR: ato de namorar, de colocar na 'lista'.
      LISTADOR: garanhão, namorador, homem que toda mulher quer.
      LOITA: coisa muito trabalhosa, difícil.
      LOLÓ: droga de inalar como lança-perfume ou éter.
      LOMBA: fato engraçado, munganga, resenha, agitação.
      LOMBRADO: pessoa que fumou maconha, drogado, doidão.
      LOMBRIGA DE CU DE POBRE: pessoa magérrima.
      LOPREU: diabo.
      LUBAMBO: engodo, trapaça.
      LUMA: lua.
      LUSTRIDO: atrevido, metido; sabido, esperto.
 

      MACACO: polícia, segundo os jagunços e cangaceiros.
      MACAXEIRA: aipim, importante raiz comestível.
      MACIÇO: parte sem osso da carne.
      MACURERÉ: tipo de queijo do sertão alagoano que demora 2 anos p/ ser
      feito.
      MÃE DO CORPO: útero.
      MAFUÁ: bagunça, confusão.
      MAGOTE: uma boa quantidade, certa porção ou valor considerável.
      MAGUINU: (de magro e nu), frente de emergência, segundo os
      sertanejos.
      MAÍNHA: mãezinha, forma carinhosa de chamar pela mãe.
      MAIS PRA TRÄS: antigamente, coisa do passado.
      MALACADA: peteleco.
      MALAFROJADA: mulher feia, descuidada, desmantelada, derrubada.
      MALANGUNZO: mal vestido, mal arrumado, amarfunhado.
      MALASSOMBRO: (de mal assombro) indivíduo mal apresentado,
      maltrapilho.
      MALHÃO: aquele que vive malhando.
      MALHAR: sair s/pagar a passagem (salta por trás); entrar s/pagar
      ingresso (pop: maiar).
      MALINO: menino reinão.
 

      MALOQUEIRAGEM: atitudes de maloqueiro, bagunça, vadiagem, brincadeira
      c/ alguém.
      MALOQUEIRO: que só quer bagunçar, tem aparência de mendigo,
      trombadinha, vadio, pivete.
      MALUDO: corajoso, valente.
      MANÁ SUM-SUM: dinheiro.
      MANGA DE COLETE: coisa que não existe.
      MANGACHEIRO: vendedor de ervas.
      MANGANGÁ: besouro preto.
      MANGAR: rir da pessoa, caçoar, gozar, zonar.
      MANJUBA: o pênis.
      MANSABIQUEIRO: desconfiado, matreiro, ardiloso.
      MÃE DO CORPO: o útero.
      MÃO DE MILHO: apanhado de 50 espigas de milho.
      MÃO DE SEBO: pessoa que deixa as coisas escorregarem da mão,
      "mão-furada".
      MÃOZADA NO PÉ DO TOITIÇO: tapa no pescoço.
      MAQUEIRA: trapos, roupas que não prestam mais.
      MARANHA: treita, manha, enrolação.
      MARCA NÃO!: não faça isso não!.
      MARIA FILICIANA: mulher alta.
 

      MARICO: fresco, que não é macho, delicado, afeminado.
      MAROMBEIRO: moroso no trabalho, que finge que está trabalhando.
      MARROQUE: pão dormido, murcho, velho, duro.
      MARUJADA: folguedo.
      MARUJOS DO ROSÁRIO: folguedo conhecido como congo ou congada.
      MAS É NADA!: interjeição de indignação, indicando não concordar ou
      permitir algo.
      MAS REPARE!: interjeição de indignação ou surpresa.
      MASSA: legal, muito bom.
      MASSADA: longa espera, chá de espera; mancada, falha.
      MATEU: ou Mateus? figura cômica de cara negra (reisado e outras
      danças típicas).
      MATULÃO: bolsa grande de couro para colocar tralhas.
      MAZELA: ferida, doença; também indica babaca, otário.
      ME DEIXE!: nem me fale nisso!
      MEIA MÃO DE MILHO: apanhado de 25 espigas de milho.
      MEIOTA: dose de cachaça.
      MEIZINHA: remédio; remédio caseiro.
      MELADO: cheio de "mé", alcoolizado, embriagado, que tomou "umas".
      MELAR: colocar coringa para fazer uma canastra (jogo de cartas);
      estragar, falhar.
 

      MENDRONGO: abóbora, gerimum.
      MENONGO: gerimum, abóbora.
      MEQUETREFA: mulher feia, desajeitada, canhão.
      METER O SARRAFO: transar.
      MIJÃO: artefato junino que ao acender sai sem direção (cobrinha).
      MIJO DE CAVALO: tipo de cogumelo.
      MINDUADA: remédio de curandeiros com vários ingredientes.
      MINDUBA: cachaça.
      MIOLO DE POTE: água; besteira, bobagem.
      MIOLO DE TRIPA: fezes.
      MIORANÇA: melhoria.
      MIOU: falhou.
      MOIU GERAL: quando, numa programação, tudo falha.
      MISCA: pessoa mesquinha, canguinha.
      MISERENTO: miserável, misoró.
      MISORÓ: pessoa miserável, cafajeste, canalha.
      MISTURA: alimento que acompanha o feijão (carne,peixe,etc.).
      MITRA DE BISPO: ânus de galinha, sobrecu.
      MOÇA BRANCA: cachaça.
      MOÇA PERDIDA: aquela que não é mais virgem, que entrou na perdição.
      MOCA: (môca) surda.
 

      MOCO: (môco) surdo, que não escuta bem.
      MOCÓ: tipo de roedor; feitiço.
      MOCÔ: acontecimento fantástico, sem explicação, magia, bruxaria
      (orígem indígena).
      MOCRÉIA: prostituta; mulher feia.
      MODE COISA QUE TÔ VENDO: parece que está vendo na sua frente o
      relato.
      MÓDIS: (do produto "modess"), absorvente feminino.
      MONDRONGO: cheio de caroços, deformidades.
      MOQUICO: lugar sórdido, muquifo.
      MORCEGAR: pegar carona na carroceria de caminhão (menino).
      MORGADO: coisa feia, sem graça.
      MORRER NA FACA CEGA: sofrer, se lascar, penar.
      MORTE PELENGA: pessoa magra, frágil.
      MORTO NOS PANOS: muito cansado, que não aguenta mais nada.
      MOSQUITO DE BOSTA: pessoa metida, incherida.
      MOTOR A FOGO: carro, automóvel.
      MOURÃO: vaquejada pequena.
      MUCUIM: inseto muito pequeno que causa coceiras e irritação na pele.
      MUCUIM COM TOSSE: pessoa pernóstica, sem valor, porém presunçosa.
      MUDOBIM: amendoim.
 

      MUFINO: medroso, sem coragem.
      MUINHANHA: mochila, bisaca.
      MUITO PAU: chato.
      MULHER ARROCHADA: mulher apertadinha.
      MULHER-DAMA: prostituta.
      MULHER-DA-VIDA: prostituta.
      MULHER QUE BRINCA: aquela que topa dar uma transada.
      MUNDIÇA: (de imundice), pessoa sem cuidados higiênicos, suja, sem
      classe, ralé.
      MUNGANGA: careta, gesticulações cômicas.
      MUNGANGUEIRO: que faz caretas, mungangas.
      MUNGUZÁ: iguaria feita de milho, que no sul é conhecida como canjica.
      MUNHECADA: tapa, tabefe.
      MURAMBUDO: triste.
      MURIÇOCA: mosquito, pernilongo.
      MURUANHA: muriçoca, pernilongo.
      NÃO SE AVEXE!: não se preocupe!
      NAMBU: ave de caça.
      NA TABA DA VENTA: diante do nariz, na cara.
      NEGO: forma de tratamento (cordial).
 

      NEGO PRETO: crioulo, negro.
      NEM CITE: nem aí, nem ligar, nem se preocupar.
      NEM QUE SEJA DEBAIXO DA CAMA DO SATANÁS: de qualquer jeito.
      NHACA: mal cheiro.
      NOQUIBA: mulher fácil, prostituta, quenga, piniqueira.
      NO AÇO: com a moléstia; algo com firmeza.
      NÓ CEGO: coisa muito difícil.
      NÓ NA TRIPA: apendicite; congestão.
      NO OCO DO MUNDO: que está em lugar ignorado.
      NO PÉ DO OUVIDO: junto ao ouvido (conversa ou topada).
      NOPRÓ: volvo, nó (na barriga ou pele), como um caroço ou calombo.
      NUNCA TIROU UMA CUECA COM A BOCA: forma irônica de citar uma mulher
      que nunca transou.
      OFENDER: usado no sentido de fazer mal a barriga (alimentos e
      bebidas).
      OIÇAS: ouvidos.
      OLHA O LENÇOL ARRASTANDO!: forma disfarçada de dizer que tem alguém
      cochilando.
      OLHO DE TEJO: olho grande nas coisas dos outros.
      ÔNIBUS: mulher que todo mundo já pegou, coletiva.
      ORELHA SECA: pessoa sem importância, pião.
      OU CHOVE, OU VENTA PRA FAZER MEDO: forma disfarçada de ironizar o
 

      nariz grande de outra pessoa.
      OVO VIRADO: virado no cão, doido, aperreado, agoniado.
      OXE: interjeição de espanto.
      OXENTE: interjeição de espanto.
      PÁ: região das costas, perto das omoplatas.
      PAÇOCA: iguaria com carne de sol frita e amassada com farinha grossa
      de mandioca.
      PAGOGA: cigarro de palha.
      PAIA: coisa que não presta, coisa fuleira.
      PAIEZA: besteira, bobeira, babaquice.
      PAÍNHO: paizinho, forma carinhosa de chamar o pai.
      PANCADA DE CEGO: golpe sem direção, que pode atingir a qualquer
      pessoa ou coisa.
      PANQUEBA: que manca do pé.
      PANTINHO: tique nervoso, frescura, descontrole, faniquito, munganga.
      PAPA ANJO: homem que gosta de namorar ou transar com meninas bem
      novas.
 

      PAPA FIGO: criatura que come o fígado das crianças (lenda p/ assustar
      crianças).
      PAPÃO: caçapa, o buraco no chão no jogo de ximbra.
      PAPOCAR: estourar, arrebentar, explodir.
      PAPOCO: estouro, pipoco.
      PAREIA: amigo ( de parelha - par ).
      PARIDEIRA: mulher que tem muitos filhos, sem parar, que vive parindo.
      PARRAPAPÁ: um som característico que pode indicar: festa, discussão,
      dança, etc.
      PARRECO: bunda.
      PASSADO NA CASCA DO ANGICO: experiente, maduro.
      PASSAPORTE: sanduíche c/ vários recheios vendido em trailers de
      praias e praças.
      PASSAR BANHA: agradar.
      PASSAR RAIVA: denominação para o mamão papaia.
      PASSAR GATO: repreender.
      PASSAR PELO PAU DO CANTO: ser aprovado c/ pontuação mínima, passar
      raspando.
      PASTORIL: dança folclórica alagoana.
      PAU D'ÁGUA: cachaceiro.
      PAU DE ARARA: caminhão coberto que transporta muitas pessoas na
      carroceria.
 

      PAU DE FOGO: espingarda ordinária.
      PAU DENTRO: cachaça.
      PECINHA: gata, mulher deslumbrante.
      PECINHA DE USINA: mulher feia.
      PEÇONHA: secreção de ferimentos, pus.
      PÉ DE CANA: cachaceiro, que gosta de tomar "cana".
      PÉ DE FERRO: peça que apóia a vara de pesca na areia.
      PÉ DE LÃ: o amante da mulher, o "ricardão", pé de pano.
      PÉ DE PANO: amante da mulher, o "ricardão".
      PÉ DE PAU: uma árvore qualquer.
      PEDEGUEBA: pessoa chata, besta.
      PEGAR CABACINHO: homem que pega moças virgens, que tira o "cabaço"
      delas.
      PEGAR NO PAU DA VENTA: pancada que pega no nariz.
      PEGAR O BALÃO: pegar o próximo retorno de veículos, retornar.
      PEIA: pênis.
      PEIDANÇA: vários peidos.
      PEIDO DE VÉIO: espécie de bomba de São João.
      PEITICA: teima.
      PEITO DE VELHA: flau.
      PEIXEIRA: facão curto e muito cortante, arma muito comum.
      PELEIO: xamego, agitação, auê, festança.
      PENDENGA: desentendimento, discordância.
      PENSAR QUE BIRIMBAU É GAITA: estar enganado, iludido.
      PERDOE: bolsa para pedir esmolas.
      PERENGUE: doente em estado grave.
      PERLUCHE: espécie de maracujá pequeno.
      PERRECO: peixe pequeno.
      PERRONICO: teimoso (tem orígem na palavra "pirrônico").
      PERSEGUIDA: vagina.
      PERU: bebida alcoólica que leva mel (geralmente vinho ou aguardente).
      PESCA: cola de prova, respostas da prova.
      PESTE ENCAIBADA: xingamento.
      PETISQUEIRO: lugar onde se guardam louças.
      PIÃ: pestanejar de sono.
      PIABADA: balanço brusco da cabeça (despencar) de quem começa a
      cochilar sentado.
      PIANO: caixão de defunto.
      PICADINHO: embaixada, tocar bola sem deixar cair no chão.
      PICHILINGA: bicho da galinha e outras aves; coisa muito pequenina.
      PICINÊS: óculos.
      PICUÁS: tralhas, coisinhas.
 

      PICUÍNHA: implicância.
      PIGOILANA: pessoa zangada, braba, irritada.
      PÍLULA BUFANTE: batata-doce.
      PINDIBA: encrenca, briga.
      PINDUNGO: garrote magro, raquítico.
      PINGADEIRA: coriza, nariz escorrendo.
      PINGUÇO: cachaceiro, que gosta de tomar "pinga".
      PINGUEIRA: goteira.
      PINGUELO: clitóris.
      PINHA: fruta do conde, ata.
      PINICÃO: beliscão.
      PINIQUEIRA: prostituta, piranha, quenga.
      PINTA: pênis (geralmente referindo-se a meninos).
      PINTO: o mesmo que pinta - pênis.
      PIRÃO DE LOURO: o vômito do bêbado.
      PIRARA: meretriz, prostituta.
      PIRIAR: fugir.
      PIRIRI: desinteria.
      PIROBO: homossexual masculino, efeminado.
      PIOLHO DE CIGANO: pessoa que não para em lugar nenhum.
      PISA: surra.
 

      PISSILONE: a letra "Y".
      PITI: desejo sexual intenso, forte apetite sexual, ânsia de sexo;
      histeria, crise de saúde.
      POCAR: estourar, arrebentar, furar (uma bola).
      POGÊNIA: marca de ferida pelo corpo.
      POMBA LESA: retardada, pessoa lesada, idiota.
      POMBA LEVE: pomba lesa, abobalhado, sonso.
      PONTA DE RUA: indica baixa condição social, gentalha, ralé.
      POR PESTE: em grande quantidade, muita quantidade (é precedido pelo
      elemento que deve ser quantificado).
      PORONGO: cachaça; peido.
      PORRÓIA: pessoa ordinária, sem coração.
      PORTINHA DO SIM SENHOR: versão moralista e irônica do ânus.
      PORVARINO: ânus.
      PRÁ MODE: para que, de modo a.
      PRATIVAI: o pênis.
      PREÁ: espécie de rato grande, roedor.
      PRECISÃO: necessidade.
      PREGO: pessoa sem qualificação.
      PREGO SEM ESTOPA: pessoa que nega, por ter interesses e querer
      recompensas.
 

      PRENHA: grávida.
      PRESA DE BICO: beijo na boca.
      PRESEPADA: coisa bagunçada ou que não está apresentável.
      PREXECA: vagina.
      PREXECUDA: que tem a vagina grande, tabacuda.
      PRIMA: o primeiro a jogar (jogo de ximbra).
      PRIQUITA: a vulva, a vagina, a xoxota de menina (vem de periquita).
      PROSEAR: conversar, ter uma prosa.
      PRUCÁ: por cá, por lá.
      PRUQUI: por aqui, por ali.
      PRUS MODE QUE: devido a, por causa de.
      PUARA: prostituta.
      PUBA ou PUBO: estar cheio de ver ou ouvir uma determinada coisa.
      PUCUMÃ: teia de aranha.
      PUIA: graçola, piada; momento de raiva.
      PULAR AVIÃO: brincar de amarelinha.
      PURRÃO: pote grande para guardar água.
      PUXAMENTO: asma.
       QUAEIRA: vísceras, intestinos.
       QUAEIRA ARRIADA: hemorróidas, queda do reto.
       QUARTO: região lombar, por trás na altura da cintura.
       QUARTINHA: reservatório de água (mesma função que o pote).
 

       QUARTUDA: que tem os quartos largos, bunduda ou de grande quadril.
       QUE PANCA!: que jeito louco, que roupa doida (originado de 'punk').
       QUE SÓ: muito, demais, bastante.
       QUE SÓ A PEIGA: muito, demais, bastante.
       QUE SÓ A POCHA: muito, demais, bastante.
       QUE SÓ A PORRA: muito, demais, bastante.
       QUEBRA QUEIXO: doce de difícil mastigação vendido pelas ruas.
       QUEBRADURA: hérnia.
       QUEDE? : cade?, onde?
       QUEIMADEIRA: azia.
       QUEIMAR A ROSCA: fazer sexo anal (penetrado pelo ânus).
       QUELÉ: abreviatura de Clemente.
       QUENGA: prostituta ou mulher que tem muitos homens.
       QUENGAR: dormir com uma quenga (homem) ou se oferecer a homens
       (mulher).
       QUENGAGEM: referente a pessoa que vive a quengar.
       QUENGO: cabeça.
       QUEQUEU: cachaça.
       QUERECA: feridinha, pereba.
       QUERRENCA: mulher feia; prostituta.
       QUIBA: testículo.
 

       QUIBACA: casca do coqueiro, quando cai.
       QUIBONGO: barriga grande (por comida, gravidez ou doença).
       QUIBUNGUE: vagabundo.
      RABEADA: derrapar, dar um 'rabo de arraia', mover/arrastar o
      rabo/cauda.
      RABO DE ARRAIA: 'cavalo de pau' com carro, bicicleta ou moto.
      RABO DE OLHO: olhar disfarçadamente, ou com ar de censura.
      RABO DE JUMENTA: bunda muito grande.
      RACHAR: jogar uma pelada.
      RADIOLA: vitrola, toca-discos, som.
      RAIA: denominação local para pipa (de soltar).
      RAÍNHA DA COCADA PRETA: mulher metida (masc: rei da cocada preta).
      RAIO DA CILIBRINA: pessoa travessa, endiabrada.
      RAPARIGA: prostituta.
      RASGA-MORTALHA: espécie de coruja.
      RASGA-TIRA: tipo de flato (pum) com barulho característico.
      RASPA-RASPA: bebida vendida em carrocinhas feita de xarope de fruta
      e gelo raspado.
      RASPAR AS CANELAS: trair o marido (a mulher), chifrar o marido.
      RECA: magote, cambada (variação de 'renca').
      REGUINGAR: não se conformar.
      REINÃO: menino danado, que mexe em tudo.
      REINAR: futucar, ficar mexendo por curiosidade, descobrir por
      tentativa, traquinar.
 

      REISADO: dança folclórica alagoana.
      RELA-RELA: escorregador, escorrega de pracinhas.
      RENCA: uma grande quantidade, um monte.
      RENCA DE BUFETE: um monte de tapas.
      REPARE!: interjeição de surpresa ou indignação.
      RESENHA: comédia, coisa cômica.
      RETRÓS: carretel de linha.
      REZINGUENTO: que gosta de discutir ou de trocar palavras.
      RIMINAR: resistir, embaraçar.
      ROBERTO CARLOS: tipo de pão que tem raspinhas (de côco) em cima.
      RODAGEM: estrada, rodovia, pista.
      ROLA: pênis.
      ROLA-BOSTA: grande e forte besouro negro.
      ROLETE: rodelas de cana para chupar, geralmente vendidas em espeto.
      ROLO: barganha, troca de mercadorias.
      ROSCOF: relógio, qualquer relógio, relógio vagabundo.
      RUBACÃO: feijão com arroz.
      RUMA: muita coisa, um monte, objetos, pessoas, um bocado.
      RUMBEIRA: dançarina de circos do interior que usa biquini.
      SABUEIRA: menina que "fica" com muitos garotos.
      SACI: saquinho de suco que se toma espetando canudinho, vendido nas
      praias.
      SACUDIR: jogar fora, lançar.
      SAIDEIRA: a última rodada antes de sair, geralmente de bebidas.
      SAIMENTO: inconveniência, descaramento, pouca vergonha.
      SAIR COM DOIS QUENTES E UM FERVENDO: ir embora com raiva.
      SAIR DE BANDINHA: sair disfarçadamente, sem chamar atenção.
      SAIR FEITO BUFA: sair de fininho, sair de repente, sumir.
      SALSEIRO: que briga com todo mundo, brigão.
      SALTA MOITA: que não para quieto, que salta muito; tangedor de bois.
      SAMANGO: policial de baixa patente.
      SAPECADO: trabalho feito de qualquer jeito, com pressa e sem a devida
      atenção.
      SAPOCA: saliência anômala do globo ocular, olho esbugalhado, grande
      (de sapo).
      SAPO DE RABO: pessoa gorda de pernas curtas.
      SARACOITÉ: criança agitada, que não para.
      SARGAÇO: plantas ou algas marinhas muito comuns no litoral alagoano.
      SE ABRIR: rir, achar graça.
      SE APROCHEGUE: se chegue, chega mais, fique mais próximo, mais perto.
      SE ORIENTE!: fique esperto, ligado, o mesmo que tome tento.
 

      SEBITE: (diz-se sibite), espivitado, saliente, atrevido, intrometido,
      irrequieto.
      SEBOSO: pessoa que executa mal uma tarefa; serviço mal feito; sem
      asseio.
      SECAR: esvaziar, emagrecer.
      SECO: vazio, magro.
      SECURA: desejo ardente ou desesperado, vício, fixação por fazer
      alguma coisa.
      SÊDA: tipo de pão bem macio.
      SEM-VERGONHO: homem sem-vergonha.
      SENTINELA: velório.
      SESSÃO BACURAU: sessão ou reunião muito tarde da noite.
      SESTRO: desconfiado, cheio de melindres.
      SEU VIGÁRIO!: termo usado pelos antigos habitantes do sertão para dar
      sentido de confirmação.
      SEU ZÉ: tratamento dado a pessoas desconhecidas pelas pessoas mais
      simples.
      SIBITE: pessoa metida, intrometida, por vezes exibida, que gosta de
      aparecer; tanajura pequena (macho).
      SIBITE BALEADO: pior que o sibite, sibite ao extremo.
      SIGA: o segundo a jogar (jogo de ximbra).
 

      SIPITUCA: crise nervosa, chilique.
      SIRI BOCETA: indivíduo manhoso, que tem lábias, conversador.
      SIRI DE CORAL: prato regional que contém apenas as fêmeas do siri que
      estão com coral; crustáceo da família dos portunídeos.
      SOBRADA: usado no sentido de quem tentou fazer uma curva e não
      conseguiu (passou reto); se passar em alguma coisa.
      SOBROÇO: mágoa, ressentimento; medo (também se escreve "sobrosso").
      SOCA-TEMPERO: espingarda conhecida como soca-soca.
      SULAPO: buraco.
      SUPLICANTE: a amante (principalmente de homem casado).
      SOLTAR O BICHO: mulher que topa uma transa (também o pederasta que
      topa).
      SUMBECAR: esconder.
      SUPITAR: subir.
      SURRA DE PICA: ato sexual intenso do homem sobre a mulher p/
      amansá-la.
      SURRA DE PICA DE BOI: surra violenta que utiliza artefato construído
      c/ o pênis do boi.
      SURRA DE PRIQUITA: ato sexual intenso da mulher sobre o homem p/
      amansá-lo.
      SURU: animal de rabo curto ou cotó.
      SURURU: tipo de crustáceo de lagoa.
      SURURU DE CAPOTE: sururu com a casca.
      SURURU DISPINICADO: sururu que é aferventado e retirado da casca.
 

      TÁ: enfatização referente ao tamanho exagerado. Ex: tá o sanduíche!
      TÁ PENSANDO QUE CEBOLA É OVO? : questionamento sobre algo que foi
      confundido, estar confundindo as coisas.
      TABACA: genitália feminina.
      TABACO: genitália feminina.
      TABACUDA: mulher que tem a parte genital volumosa, estufada,
      visivelmente grande.
      TABARÉU: ignorante, imbecil, que não entende nada.
      TABOCA: pequena venda.
      TÁ COM A GOTA!: estar agitado, elétrico.
      TÁ COM A GOTA QUE: expressão de quase certeza que algo não poderá
      acontecer.
      TÁ COM A PORRA QUE: expressão de quase certeza que algo não poderá
      acontecer.
      TÁ COM A POCHA QUE: expressão de quase certeza que algo não poderá
      acontecer.
      TÁ ROCHEDO: tá massa, tá muito bom, muito legal.
      TÁ VARIANDO! : tá doido! ficou louco!
      TALAGADA: gole grande, golada.
      TAMBOEIRA: espiga de milho desdentada, pequena, sem proveito.
      TAMBORETE DE GANDAIA: pessoa baixinha.
 

      TAMPA DE BINGA: homem pequeno.
      TAMPA DE CRUSH: coisa muito boa, de qualidade.
      TANGERINO: que tange bois, salta moita.
      TAQUINHO: pedacinho, coisa pequena.
      TAPADA DOS ENTENDIMENTOS: burra, lesada, ignorante.
      TAPADO: ignorante, estúpido, que não entende de nada.
      TAREBA: o pênis.
      TAREFA: medida agrária = 1/3 de ha, ou 3630 m2 (valor difere em
      outros estados!).
      TCHOLINHA: pessoa tola, afrescalhada, bichinha, afeminado.
      TECHUPA: referente ao pênis.
      TEJE PRESO!: você está preso! (voz de prisão).
      TEJO: teju, lagarto do mato.
      TEJU: tipo de lagarto do mato.
      TENENÇA: atenção, reparo.
      TER MENINO: parir, ter um filho (não importa se foi menino ou
      menina).
      TERÇO DO COCAL: assunto ou evento longo e cansativo ("terço do
      cocar").
      TERNA: o terceiro a jogar (jogo de ximbra).
      TERNANTONTEM: antes de anteontem.
 

      TERRA DOS MARECHAIS: o estado de Alagoas, "as Alagoas".
      TEU: teju, lagarto.
      TIBACA: bobo, lesado, bestão.
      TIBI: cheio, satisfeito.
      TIBORNA: esgoto, vala de esgoto que fede, desembocadura de esgoto.
      TIRAR CATOTA: tirar melecas do nariz.
      TIRAR CRECA: tirar melecas do nariz, ou alguma sujeira grossa.
      TIRAR DO SENTIDO: esquecer, renunciar.
      BESTICE: besteira.
      TOBA: o ânus.
      TOCAR BRONHA: se masturbar.
      TOCO: pessoa de pequena estatura, baixinho, tampinha.
      TOIA: guimba, ponta de cigarro.
      TOITIÇO: pescoço, cangote, piloro.
      TOME TENTO! : tenha juízo! tenha vergonha! tome jeito!
      TORA: dormir (muito usada no quartel).
      TORADA: fazer sexo.
      TORAR: estourar, romper, arrebentar.
      TORAR UM PINO: ficar preocupado com algo que já fez.
      TOTÓ: parte de trás do pescoço (contrário ao "gogó").
 

      TRABALHO DE CARREGAÇÃO: obra mal feita, feita às pressas, sem
      acabamento.
      TRAMBOLHO: trombolho, coisa sem graça.
      TRAQUE BEBÉ: artefato de festas juninas que estoura ao cair ao chão,
      estalo, estalinho.
      TREITA: enrolação, mutreta.
      TRELOSO: menino danado, arteiro, reinão, bagunceiro.
      TREPEÇA: pessoa que atrapalha ou aborrece a outra.
      TRIBUFU: o mesmo que trepeça.
      TRINCA-CUNHÃO: formiga de coqueiro.
      TRIPA GAITEIRA: saída do ânus, onde saem gases (gaita).
      TRIPÉ: diz-se do homem que tem o pênis muito grande.
      TRONCHO: torto, envergado, desalinhado, fora de simetria.
      TRONCHURA: que está torto, desalinhado, mal-feito, mal-acabado.
      TRUBUFU: mulher feia; tribufu.
      TRUNCADA: caminhão.
      TRUPÉ: dançar de tamancos no forró.
      TRUVERO: trazer alguma coisa.
      TUBIDO: local cheio de gente, lotado.
      TUÍTA: ferida, pereba.
      TULAMBE: o pênis.
 

       UBRE: úbere, parte do peito do animal que guarda o leite.
       UMBU: fruta típica de Alagoas, muito nutritiva.
       UMBUZADA: creme (ou doce) feito de umbu.
       URUBU CANGUEIRO: pessoa alta, deselegante, que anda gingando,
       encurvado.
       URUPEMA: peneira de palha.
      VADIAÇÃO: fornicação.
      VALEI-ME!: interjeição de espanto, surpresa, susto.
 

      VANIQUITO: (de faniquito) pessoa nervosa.
      VARA DE BATER PECADO: pessoa muito magra.
      VARA DE VIRAR TRIPA: pessoa muito comprida e seca (magra).
      VAREDO: caminho dentro do mato, trilha (vereda).
      VARIAR: enlouquecer, dizer sandices.
      VAPAPU: tabefes, tapas.
      VENTA DE PORRONCA: nariz grande e grosso, narigão.
      VICANDO: mulher querendo transar.
      VICHE: interjeição de espanto (virgem).
      VIDA DE CÉU: vida boa, feliz.
      VIRADO NO SIRI: com muita raiva, furioso.
      VIRAR ESCAMBOTE: virar cambalhota; cair.
      VIVER NA QUENGAGEM: levar a vida em prostíbulos (local das quengas)
      ou tendo vários parceiros sexuais.
      VOCÊ MAIS EU: nós.
      VOÍNHA: vozinha, tratamento carinhoso para com a avó.
      VOÍNHO: vovozinho, tratamento carinhoso para com o avô.
      VOLTA: adereço colocado no pescoço, qualquer colar ou corrente.
      VOMITAR O PIRÃO DE LOURO: vomitar de tanto beber.
      VÔO DE BACURAU: ato de pessoa que não se arrisca, que não é
      empreendedora.
      VOU-TE: interjeição de espanto.
      VOU-LE: interjeição de espanto.
 

      XANGÔ: designação genérica para macumba, umbanda ou candomblé (local
      ou ritos).
      XANGOZEIRO: que pratica o "xangô", macumbeiro.
      XANHA: tipo de micose que dá na virílha; a vagina.
      XAVASCA: a vagina.
      XEDÉIA: prosa, conversa fiada.
      XENHENHÉM: conversa fiada, desculpa mal arranjada; frescura,
      chilique; a vulva.
      XEREBECA: genitália feminina.
      XERECA: a vulva, a vagina.
      XERECOLOGISTA: ginecologista, médico de xereca.
      XERÉM: objeto precioso e desejado; vagina.
      XEXO: ato de não pagar e fugir; também se refere ao seixo (pedra).
      XIBIU: a vulva, vagina.
      XIMBRA: bola de gude, bola de vidro, brinquedo de meninos.
      XIBUNGO: pederasta, em geral passivo (usado no sentido de
      inferiorizar).
      XINICA: bosta, cocô, excremento.
      XIRANHA: a vulva.
      XIRIBANDA: zuada, barulho.
      XOXO: pessoa magra; pessoa trista, cabisbaixa.
      XUMBREGAR: sarrar, tirar uma casquinha sem transar.
      XUMBREGO: xumbregar, esfregar-se com safadeza, sarro.
 

       ZAMBETO: zambeta, das pernas tortas (joelhos encostados).
       ZÉ BOCÓ: homem apalermado, bobão; ânus.
       ZÉ DAS QUANTAS: um "zé-ninguém", ninguém importante.
       ZÉ DO BROQUINHA: ânus.
       ZÉ MUIÉ: pederasta passivo; homem mole.
       ZINIR: azunir, arremessar, lançar, jogar.
       ZONAR: gozar, debochar, fazer por gozação, provocar uma "zona"
       (desordem).
       ZORÓ: amalucado, adoidado.
       ZUADA: barulho alto ou irritante; muitas pessoas falando ao mesmo
       tempo.
       ZUEIRA: zuada, zumbido.
       ZURETA: estonteado, adoidado, amalucado.
       ZURUÓ: amalucado, adoidado, zoró.